Novos tratamentos para depressão: conheça as principais alternativas aos métodos convencionais

3 Min de Leitura
Cérebro de plástico sobre uma mesa, ao lado de um teclado de computador, de uma ficha médica e de um par de óculos.

Os métodos convencionais para tratar transtornos depressivos nem sempre são suficientes para amenizar os sintomas. Devido a alguns dos principais avanços na área da saúde, surgiram novos tratamentos para depressão com abordagens avançadas e cientificamente comprovadas.

Nesse sentido, os métodos alternativos e inovadores de tratamento da depressão são uma forma de proporcionar esperança para quem enfrenta a doença. Continue a leitura para ficar por dentro das principais estratégias terapêuticas e entender o avanço que elas representam para a medicina.  

O que é depressão resistente?

Conhecida também como depressão resistente ao tratamento, ela é caracterizada como um tipo de transtorno que não responde aos tratamentos convencionais. Portanto, a doença exige abordagens mais avançadas conforme a necessidade de cada paciente.

No transtorno depressivo resistente, mesmo após dois ou mais tratamentos adequados com antidepressivos (como fluoxetina, sertralina, citalopram e outros medicamentos) associados a medidas não farmacológicas, como psicoterapia, meditação ou atividade física, não se vê melhoria nos sintomas de depressão

Por isso, é necessário buscar outros tratamentos com respaldo científico que tenham mecanismos de ação diferentes. Eles podem ajudar esse grupo de pessoas que não responde às abordagens convencionais. As duas alternativas mais indicadas, nessa situação, são as infusões com cetamina e a estimulação magnética transcraniana (EMT).

Quais são os tratamentos mais inovadores?

Mesmo com uma abordagem personalizada para tratar o transtorno depressivo, muitas pessoas ainda enfrentam diversos desafios para lidar com os sintomas mais persistentes e debilitantes. Os novos tratamentos para depressão surgem como uma luz no fim do túnel para oferecer mais possibilidades de superação da doença. Conheça-os a seguir.

Tratamento para depressão com cetamina

A cetamina foi originalmente desenvolvida como um anestésico, sendo utilizada pelo exército dos EUA durante a Guerra do Vietnã. Ela demonstrou efeitos antidepressivos rápidos e significativos em diversos estudos clínicos ao longo das últimas duas décadas. 

Diferentemente dos antidepressivos convencionais, que podem levar semanas para fazer efeito, a cetamina pode reduzir sintomas depressivos em poucas horas ou dias. Ela oferece um alívio quase imediato para pacientes em crise.

O tratamento é feito de duas formas: infusão intravenosa ou aplicação intranasal. Em qualquer uma dessas modalidades, o procedimento requer monitoramento constante dos sinais vitais do paciente e supervisão por um profissional de saúde. Por esse motivo, deve ser feito apenas em uma clínica especializada, como a Clínica Ór.

Nossa clínica realiza o tratamento para depressão com cetamina de forma muito segura. A sessão dura em torno de 40 minutos, e o paciente permanece acordado. A maioria das pessoas que experienciam essa abordagem descreve a experiência como agradável.

Estimulação magnética transcraniana (EMT)

Outra novidade para quem não obteve sucesso com os tratamentos envolvendo antidepressivos e psicoterapia é a EMT. Trata-se de um procedimento não invasivo que consiste em estimular o cérebro por meio de um campo eletromagnético.

No tratamento, são aplicados pulsos magnéticos sobre o crânio do paciente para estimular o córtex cerebral. Os focos são os locais relacionados à regulação do humor, impactados por algum transtorno depressivo

Como a EMT atua pontualmente no cérebro, pode gerar grande alívio dos sintomas de depressão sem causar efeitos colaterais sistêmicos. Ela é muito vantajosa em comparação com os remédios convencionais, que costumam gerar reações adversas.

Entretanto, também é importante salientar que nem todas as pessoas podem passar por esse tipo de procedimento. O tratamento pode ser contraindicado para quem tem implantes de metal na cabeça, em especial, na cóclea. Por isso, nós fazemos uma avaliação minuciosa para entender as necessidades e limitações do paciente.

Em resumo, esse procedimento é indicado para pacientes diagnosticados com depressão unipolar e bipolar, bem como transtornos de ansiedade. Nós avaliamos cada caso conforme as suas necessidades para definir a duração, a frequência e o protocolo.

Outros tratamentos promissores para depressão

Além dos novos tratamentos para depressão que citamos acima, há outras alternativas, como estimulação do nervo vago, estimulação cerebral profunda, zuranolona, entre outras. Entretanto, até o momento, o acesso a esses procedimentos é quase impossível no Brasil.

Outro tratamento promissor, porém ainda não aprovado pelos órgãos reguladores, é o uso de psicodélicos, como a psilocibina. Alguns estudos realizados fora do Brasil chegaram a resultados satisfatórios, mas ainda carecem de confirmação.  

Conheça os tratamentos inovadores da Clínica Ór

Nós, da Clínica Ór, somos uma referência no Brasil no tratamento da depressão resistente. Há uma década, estamos focados em devolver a esperança a pacientes que sofrem com esse transtorno. 

Para isso, utilizamos desde as abordagens mais simples e convencionais até os mais novos tratamentos para depressão, como os avançados procedimentos como cetamina e EMT. Entre em contato conosco e agende uma avaliação.

COMPARTILHE!

Clínica Ór Psiquiatria
Clínica Ór Psiquiatria

Clínica dedicada ao cuidado e tratamento de saúde mental. Oferecemos uma abordagem abrangente e personalizada para cada paciente.